quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Viagem ao Dubai

Tal como tinha contado no Planeamento da Viagem ao Dubai, pacote de viagem Dubai + Maldivas, comprado no início deste ano, venho aqui contar e mostrar como foi a parte da viagem ao Dubai.

Dubai, escrito no Deserto das Arábias
Dubai, escrito no Deserto das Arábias

O avião (da Emirates) chegou à hora prevista ao aeroporto do Dubai. Era 1 da manhã quando aterrámos, mas com o tempo de espera para levantar as malas e tal, já era muito tarde quando chegámos ao hotel Crowne Plaza Dubai, localizado na rua principal, a Sheikh Zayed Road, povoada por inúmeros arranha-céus e um metro de superfície.

Sheikh Zayed Road

Na foto, o edifício mais alto é o Al Yaqoub Tower, com 328m, maior que a Torre Eiffel... Lá ao fundo vê-se o Burj Khalifa, o edifício mais alto do mundo, com 828m. Aquela estrutura dourada ao lado da estrada é... uma estação de metro!

Na manhã seguinte fomos ao topo do Burj Khalifa. Já levámos o bilhete comprado online, visto que não dá para comprar e visitar no próprio dia, e a reserva que fizémos para aquele dia, sexta-feira, era precisamente às 8.30 da manhã.

Escapou-nos o pormenor de que sexta-feira é considerado dia de fim de semana por lá, e que o metro só iria abrir à hora de almoço (porque de manhã vão rezar nas mesquitas). Ficámos a saber disto através do agente da operadora turística que nos recebeu e por isso o nosso plano de ir de metro para o Burj Khalifa saiu furado. Tomámos a decisão de ir de taxi para o Burj Khalifa (andar de taxi por lá é muito barato, comparando com o nosso país).

No topo do Burj Khalifa, Dubai
No topo do Burj Khalifa, Dubai

A entrada no Burj Khalifa fica no centro comercial Dubai Mall, onde existe um aquário gigante com tubarões e um zoo marinho, onde podemos passar pelo meio através de um túnel de vidro, pista de patinagem no gelo, cascatas, esqueletos de dinossauros, etc. Visitámos a parte do aquário e do zoo marinho a seguir à visita do Burj Khalifa, já que estávamos por ali, e por lá passeámos mais um pouco.

Tunel Dubai Aquarium and underwater zoo
Tunel no Dubai Aquarium

De seguida fomos de taxi para o Mall of the Emirates, outro centro comercial, onde existe uma pista de ski, pinguins... almoçámos neste centro comercial num restaurante com vista para a pista.

Pista de Ski, no Mall of the Emirates, Dubai
Pista de Ski, no Mall of the Emirates, Dubai

Quando saímos deste centro comercial, o metro já estava aberto, e foi então que comprámos o passe de metro, que carregámos com algumas viagens. Voltámos para o Hotel, porque às 15h iriam buscar-nos para o Safari no Deserto, cuja excursão também já tinha sido comprada online a partir de casa, pelo site Desert Safari Dubai.

O jipe branco lá apareceu, com um condutor indiano, que reclamava já não sei bem com o quê. Fomos buscar os outros 2 casais (também indianos) que também iriam nesta excursão aos hoteis onde estavam hospedados e foi então que a excursão começou, em direcção ao Deserto das Arábias.

Deserto das Arábias, Dubai
Deserto das Arábias, Dubai

Fiquei maravilhada com o aspecto de um deserto, ao início começa por ser rochoso, mas depois a vista evolui para um mar com ondas de areia, sem fim. O condutor lá fez alguns drifts nas dunas, talvez durante uns 20m, e depois a excursão continuou para o jantar no deserto, num oásis onde se pode dar uma volta de camelo e assistir ao espectáculo de dança do ventre, durante o jantar.

Camelos no Deserto das Arábias, Dubai
Camelos no Deserto das Arábias, Dubai

No dia seguinte, fomos visitar o resto do Dubai, no circuito de um autocarro hop-on hop-off. Também já levámos os bilhetes desta tour comprados online, a partir de casa, através do site Big Bus Tours. Com o mapa da tour, conseguimos planear quais os sítios onde queríamos descer do autocarro, visitar, e apanhar o próximo autocarro. Enquanto estamos no autocarro, podemos ouvir o audio-guide com as explicações dos sítios

Foi desta forma que fomos visitar o Wafi Mall, com arquitectura egípcia, fazer o cruzeiro no Creek (preço já incluído no bilhete da tour), visitar o Museu do Dubai (localizado no edifício mais antigo do Dubai, o Al-Fahidi Fort), o Spice Souk (mercado das especiarias), passagem por Burj Al Arab, paragem na praia pública, ida à ilha artificial The Palm, onde fica o Hotel Atlantis e um parque temático.

Dubai Creek
Dubai Creek

Dubai Museum
Dubai Museum

Burj Al Arab, Dubai
Burj Al Arab

Hotel Atlantis, Dubai, The Palm
Hotel Atlantis Dubai, na ilha artificial The Palm

Ao fim do dia, fomos no último autocarro da tour até ao Dubai Mall, para vermos o espectáculo multimédia das fontes dançantes e onde jantámos. Foi lindo! De meia em meia hora passava uma música e coreografia diferente, por isso passámos lá várias meias horas para apreciarmos o espectáculo.

Dubai Mall
Vista a partir do restaurante, no Dubai Mall, para o lago das fontes dançantes.

Regressámos de metro ao hotel e esta era a última noite no Dubai. Ainda nos faltava mais uma coisa: ir ao Hard Rock. Já é tradição irmos ao Hard Rock local quando viajamos, para comprarmos a recordação: a t-shirt Hard Rock. Ainda fomos de metro até ao sítio mais próximo do Hard Rock e depois apanhámos um taxi até lá. Objectivo cumprido. É curioso como é proibido o consumo de álcool, mas pelos vistos existem excepções: no Hard Rock estava lá uma tabuleta que indicava que a partir dali para a frente, o consumo de álcool era proibido.

mapa do metro do dubai
Mapa do Metro do Dubai

Regressámos de taxi ao hotel para dormir e seria na manhã seguinte a partida para as Maldivas, cuja viagem contarei num outro post...

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Azares numa nova casa: #6 O Telhado

Quando comprámos a casa, já sabíamos que havia qualquer coisa de errado na cobertura do sótão (a madeira que fazia de tecto no sótão estava com barriga nalguns sítios, o que indica que inchou por causa de humidade ou de calor.

De modo a resolver o problema e garantir um melhor isolamento térmico na casa, visto que o sótão não tem placa de cimentos no tecto, decidimos que queríamos colocar roofmate por baixo das telhas e das vigas, evitando tirar as telhas. Estava com tecto falso de madeira em ripinhas todas encaixadas umas nas outras, com iluminação embutida em estilo bastante antigo - nem são focos de luz, depois esferovite bem grosso e por fim as telhas, que assentam sobre umas vigas de betão,

cobertura de madeira no sótão
Cobertura de madeira no sótão

Ah, existe um pormenor importante: no sótão existem 3 janelas do tipo Velux para se poder ter luz natural no espaço.

Através da Zaask (sabiam que fui eu que dei este nome ao site? E não, não faço parte do site, mas conheço as pessoas), contratámos uma empresa que nos iria arrancar a cobertura de madeira, colocar o roofmate e depois finalizar com contraplacado (que é mais barato do que estar a encaixar novamente a cobertura de madeira, e se voltássemos a ter novamente problemas com ela, estaríamos sempre a desembolsar mais €€ do que o necessário).

O tecto de madeira foi arrancado, a esferovite foi tirada e neste momento está só com as telhas (e faz lá um frio de rachar). Na semana em que isto foi feito, começou a chover a cântaros e foi aí que percebemos porque é que a madeira tinha inchado: as janelas do tipo Velux deixavam entrar água, de tal forma que numa delas a água parecia que estava a sair de uma fonte: corria em bica! Lá ficaram uns baldes de 15L a aguentar a água que caia (todos os dias íamos lá à noite despejar os baldes, se tivesse chovido nesse dia).

E assim o trabalho de reconstrução do telhado foi suspenso: as janelas precisam de ser substituídas. Ainda chamámos o representante da marca das janelas, a ROTO, para se ver se as janelas tinham arranjo, mas infelizmente não. A marca já não fabrica daquelas janelas há cerca de 13 ou 14 anos, não existem peças para as janelas em lado nenhum e nem a marca as fabrica. A madeira das janelas já está podre (já lá crescem cogumelos) e precisa de ser trocada.

Janela do sótão com cogumelos
Janela do sótão com cogumelos

Foi assim que decidimos que as novas janelas seriam da marca Velux, a marca original deste tipo de janelas. A Velux tem técnicos por todo o lado, que poderão resolver problemas, ao contrário da ROTO, que teriam de vir os técnicos de Coimbra, o único local onde estão em Portugal, e teria que se desembolsar a sua deslocação, adicionando o facto da ROTO descontinuar as suas janelas, obrigando a colocar novas quando têm problemas.

Para além deste problema com as janelas, também se descobriu que existem telhas rachadas, telhas que deixam passar água (já com problemas de permeabilidade) e ainda telhas que não estão bem colocadas no encaixe umas das outras. Isto tudo contribui para que passe água e frio para o interior da casa.

Solução (ainda por implementar):

Quando estivermos numa altura em que não esteja a chover durante umas duas semanas e que haja disponibilidade do senhor das janelas e dos senhores do tecto (isto tem de ser tudo bem conjugado), é preciso:
  • Tirar as telhas do telhado
  • Substituir telhas rachadas/partidas
  • Impermeabilizar as telhas (com uma tinta especial impermeabilizante)
  • Colocar o roofmate (isolamento térmico) e subtelha Onduline (isolamento para infiltrações) por cima das vigas
  • Colocar novamente as telhas (são da Telhasol)
  • Colocar as janelas Velux novas 
  • Aplicar o pladur, com iluminação LED embutida.
  • Pintar
Vai ser algo assim deste género, sem a parte da estrutura metálica, visto que temos vigas de betão...


segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Azares numa nova casa: #5 Estores

Ainda não vos tinha contado um azar relacionado com estores... Ora bem, ia eu puxar o estore da sala, para dar alguma luminosidade, quando, ao agarrar na fita do estore e a comecei a puxar, se ouviu um CLACK, puxei, puxei (já com a fita muito solta) e o estore não subiu, porque... tinha acabado de se partir!
Grrrrrrrrr...
Abrimos a caixa de madeira, onde o estore está metido, com uma chave de fendas e confirmámos: yup, o estore partiu-se mesmo.

Janela com estore partido
Janela da sala com estore partido

E assim temos mais uma coisa para arranjar (e já agora, rever o estado dos restantes estores)... como se não bastassem as restantes coisas.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Receita Nescafé Dolce Gusto "Latte Machiato Caramelo e Canela"


A receita da bebida preparada com a Nescafé Dolce Gusto, chamada Latte Machiato Caramelo e Canela, parece ser muito apetitosa! Por acaso até chegou cá a casa uma Dolce Gusto, encomendada ao Pai Natal...

Nescafé Dolce Gusto "Latte Machiato Caramelo e Canela"
Latte Macchiato Caramelo e Canela

"Frozen" em 5 palavras

Ainda não tinha visto o filme "Frozen"(shame on me... o filme já é de 2013!) e foi agora pelo Natal de 2014 que o vi na televisão.

Cartaz do Filme Frozen
Cartaz do filme Frozen
Aqui está o trailer...


Continuando com a rubrica Resumo de Filmes em 5 Palavras, as palavras que me surgem na cabeça depois de ver o Frozen são...

  • Gelo
  • Amor
  • Música
  • Irmãs
  • Humor


E vocês, que 5 palavras usariam para descrever o filme "Frozen"?

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

"Hobbit: Batalha dos Cinco Exércitos" em 5 palavras

Hoje, dia de Natal fomos ao cinema ver o filme "Hobbit - Batalha dos Cinco Exércitos". O cinema estava quase deserto. Para além de nós deviam lá estar mais umas 20 pessoas no total. Este é, assim, um excelente dia para ver filmes que estrearam há muito pouco tempo, sem grandes confusões.


Aqui está o trailer...

Resumindo o filme em cinco palavras, as que escolhi são...


  • dragão
  • ouro
  • batalha
  • morte
  • rei

Já viram o filme?
Quais seriam as vossas 5 palavras que usariam para descrever este filme do Hobbit?

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Azares numa nova casa: #4 O fogão

Na sequência do Azar #2, no qual a máquina de lavar roupa não cabia na bancada da cozinha, foi chamado o carpinteiro para que o móvel de cozinha subisse 2 cm em altura.

As pedras da bancada de cozinha foram arrancadas (felizmente nenhuma se partiu!) e já que a placa do fogão foi desmontada, assim como o lava-loiças, aproveitámos para trocar a placa do fogão, para uma nova. Naquela já faltava lá qualquer coisa (seria uma luzinha?), que deixava um buraco em aberto para o interior do fogão, para além de ter os botões completamente apagados (nem dava para saber qual era a posição de ligado/desligado, mínimo e máximo), os metais um pouco com ferrugem, o fogão apagar-se sozinho, e ainda botões que já saltavam do fogão com muita facilidade. OK, o fogão não estava em condições, era a oportunidade para trocar.

placa fogão velho
O fogão velho: os botões apagados e o buraco na placa. O único botão que não está apagado é o da placa eléctrica, que nunca ninguém usa.

Aproveitámos um dia de promoções de uma dessas lojas da moda, que fazem promoções com 20% de desconto uma ou duas vezes ao ano, para comprar a placa nova do fogão. A promo veio mesmo a calhar.

Íamos inclinados para comprar uma placa de indução, que tem como vantagem sobre as placas  de vitrocerâmicas o facto de não queimarem ao toque (seria necessário comprar tachos e panelas novas). Após vermos os consumos destas placas na loja, chegámos à conclusão de que não seria a melhor opção, visto que estas placas consomem imensa energia: mais de 7000W! Leram bem, mais de 7 mil watts com os bicos todos ligados. Ou seja, se num dia for ligar o forno e estiver a cozinhar com os 4 bicos do fogão ligados, com tv ligada, frigorífico ligado, aquecimento... não há disjuntor que aguente isto. Haver até há, mas paga-se. Tem de ser um bem potente, e para o ter, tem de se pagar mais de electricidade (aluguer  de um disjuntor mais potente) mensalmente à EDP e estaríamos a gastar mais que o desejável.

Ficámos a saber que existem placas de fogão para gás natural e para gás de botija. A casa não tem gás natural (parece que os senhores do gás natural não se quiseram dar ao trabalho de meter gás natural do meu lado da rua, porque eram poucos moradores), logo a escolha ficou mais limitada.

Um grande requisito era que os botões do fogão não tivessem pintado o desenho de ligado/desligado, mínimo e máximo, mas sim, que tenham um relevo ou algo que não se apague que dê para perceber em que posição está o botão do fogão.

Para se colocar uma nova placa de fogão, era necessário saber as medidas do buraco do encaixe na pedra (que na altura da compra não sabíamos porque o fogão antigo ainda lá estava encaixado). Foi com base nas medidas exteriores da placa "velha" e um bocado à sorte. Se não coubesse, seria necessário pedir para se cortar um pouco da pedra da bancada de cozinha.
As placas de indução tinham medidas de encastre maiores que as do fogão a gás. Não fosse o diabo tecê-las, ponderámos muito bem isto tudo. Tão bem, que naquele dia regressámos à loja 3 ou 4 vezes até fazermos a compra (que tinha de ser naquele dia).

Por isso optámos por uma placa de fogão cristal a gás. Preta. É linda! Coube no buraco do encastre! E... funciona!

Placa fogão cristal gás
A placa de fogão nova, a gás e de cristal! Os botões têm um relevo que permite perceber se está apagado ou não, e o desenho de mínimo e máximo está por baixo da placa, ou seja, nunca se vai apagar.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Azares numa nova casa: #3 O afagamento

Na outra semana passada, ia ser feito do afagamento do chão dos quartos, que está em madeira parket muito riscado, com muitas marcas de saltos altos.
Não sei se repararam no tempo verbal da frase "ia". Pois é, não foi feito no dia previsto.

Azar #3: Disjuntor a disparar
Parece que por cada vez que ligavam a máquina de afagar o chão, o disjuntor disparava. O quadro eléctrico disparava, não aguentava. E sem isso, não havia afagamento.

Tínhamos uma potência contratada de 6,9 kVA, o que deveria ser suficiente. O que não estávamos a contar é com o que significa ter uma instalação trifásica (era o que já existia na casa). Com uma instalação trifásica (3 fases), a potência é dividida pelas fases, ou seja, 2,3 KVA por fase (10 amperes por fase). E 2,3kVA não é suficiente para afagar nem para viver lá. Só para perceberem a comparação do que significa este valor, com o aquecedor eléctrico ligado e um microondas a funcionar, não é suficiente e faz disparar o quadro eléctrico.

Quadro eléctrico

Quadro eléctrico
Quadro eléctrico: o antes

Solução:
Aumentar a potência contratada para cerca de 10,35 kVA, o que daria cerca de 3 e picos kVA por fase, e isto implicaria pagar mais mensalmente pela potência contratada. Ou, mudar para monofásico, mantendo os 6,9 kVA de potência contratada, mas tudo numa única fase. Escolhemos esta segunda opção, porque assim depois das obras até podemos baixar a potência contratada para um valor inferior e assim conseguirmos poupar na factura da electricidade.
Para mudar de um sistema trifásico para monofásico foi preciso chamar o electricista, para fazer as mudanças no quadro eléctrico, no interior da casa, e também a EDP para fazerem as mudanças para monofásico na parte de fora da casa.

Desta forma, conseguimos um electricista que nos fizesse esta modificação e conseguimos marcação com a EDP para o dia seguinte, ao dia das mudanças do electricista.

Mais um problema resolvido!

Quadro eléctrico
Quadro eléctrico: o depois. Até passámos a ter um diferencial!

Bolo de Natal decorado com pasta de açúcar

É um bolo pão de ló com recheio de ovos moles.
Decoração feita com pasta de açúcar.
Fiz o bolo para um convívio de amigos, para celebrar o Natal.

Gostam?


segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Beleza: Conversão de cores de base


Hoje vamos a umas dicas de beleza...
Tem uma base de uma certa marca, gostaria de experimentar outra de outra marca, mas... não sabe qual é o nº da cor da base correspondente? Isso deixa de ser um problema!

No site Findation.com pode fazer essa conversão e assim já não tem desculpa para fazer aquela compra tão apetecida!

domingo, 30 de novembro de 2014

Filme "Interstellar"

Interstellar
Poster do filme "Interstellar"

Fomos ao cinema ver o filme Interstellar com o vencedor do Óscar de Melhor Actor deste ano, o actor Matthew McConaughey e também com a galardoada Anne Hathaway.

É do realizador Christopher Nolan, que foi o realizador de Inception (A Origem), Batman Begins (Batman - O Início), de The Dark Knight Rises (O Cavaleiro das Trevas), ou seja, todos filmes com qualidade, com uma história que nos prende e que gostei de ver.

Interstellar não fica atrás destes filmes em termos de qualidade, imagem, história e efeitos. São imagens com uma fotografia maravilhosa. Em termos de história, esta segue os moldes do Gravity, o filme vencedor de 7 Óscares deste ano, com muitas cenas passadas no espaço, mas conta ao mesmo tempo o que se vai passando na Terra.
Basicamente é a história de um grupo de exploradores espaciais, que viajam através de um wormwhole, na tentativa de tentarem encontrar um planeta habitável, para salvar a humanidade.
Posso dizer que gostei muito e que este é um daqueles filmes em que chegamos ao fim e só aí percebemos muitas coisas que se foram passando ao longo da história, que não entendemos ou não demos importância na altura.

Se é fã deste género de filmes, então vai adorar Interstellar.

Let's look at the trailer...

sábado, 29 de novembro de 2014

Azares numa nova casa: #2 A Máquina de Lavar Roupa

A Compra
A casa tem uma chaminé para os fumos do fogão, em vez de ter um exaustor. Eu uso bastante o exaustor sempre que estou a cozinhar, para absorver os cheiros e vapores que se libertam durante a confecção de uma refeição e para  mim é impensável ter uma cozinha onde não exista um exaustor. Não é a mesma coisa ter só a chaminé. E por isso andávamos a ver quais os exaustores que conseguíamos encaixar dentro da chaminé.

Aproveitámos um daqueles fins-de-semana em que certas lojas fazem promoções de desconto do valor do IVA em todos os artigos, para comprar o exaustor e ainda uma máquina de lavar e secar roupa. Íamos com a intenção de comprar o exaustor, mas ao ver a máquina de lavar e secar, tomámos a decisão em cima do joelho de aproveitar a promoção. A máquina até é jeitosa, de classe A e tal. Onde moramos actualmente temos uma máquina de lavar roupa, uma máquina de secar roupa (que necessita de ter um tubo na janela para expelir o vapor da secagem) e ainda a máquina de lavar loiça. Iremos deixar estes electrodomésticos nesta casa e compraremos novos, para a nova casa.
Em primeiro lugar, na nova casa não temos janelas a jeito para se colocar lá ao lado a máquina de secar com o seu tubo, e eu uso mesmo bastante a máquina de secar roupa: a roupa até dispensa ser passada a ferro, se for dobrada quentinha acabada de sair da máquina de secar. Logo, a opção que achámos foi a compra de uma máquina de lavar e secar roupa, tudo 2 em 1, a ser colocada na cozinha ao lado na futura máquina de lavar loiça.

máquina de lavar e secar roupa
A Máquina de Lavar e Secar é um espectáculo!

Azar #2: Entregaram a Máquina de Lavar e Secar Roupa e...
Foram entregar a máquina de lavar e secar roupa esta semana. Depois de ser desembalada pela transportadora, a primeira coisa que foi evidente é: a máquina não cabe em altura, debaixo da pedra da cozinha. Mau mau!

máquina de lavar roupa não cabe
Faltou um bocadinho assim!

Tentou-se que a transportadora levasse novamente a máquina para a loja, o que nos foi rejeitado. À noite fomos à loja tentar reaver o dinheiro, para que pudéssemos encontrar outra máquina que lá coubesse, e fomos informados que a devolução do dinheiro não se aplica a grandes electrodomésticos, mas que poderiam dar um vale no valor da compra. E disseram-nos que sim, que a transportadora deveria ter trazido a máquina de volta à loja e que teriam uma palavrinha com eles. Na loja tentámos ver opções: máquinas de encastre são muito mais caras e ainda é preciso mandar fazer a madeira compatível com os móveis da cozinha. Foi-nos apresentada a opção de tirar o tampo da máquina, porque é habitual as pessoas fazerem isso quando as máquinas de lavar não cabem, e colocarem esferovite ou pladur a fazer de tampa. Na loja abriu-se o tampo da máquina de exposição e... não tem qualquer isolamento que proteja a máquina de derrame acidental de líquidos, por isso isto também ficou fora de questão.

Pensar
E agora, o que vamos fazer??

Estamos a falar da diferença de 1cm! O espaço na cozinha é de 82,5cm e a máquina tem 83,5cm de altura. Segundo fomos informados, era habitual as habitações mais velhas terem uma altura menor para as máquinas (seriam as máquinas mais pequenas nessa altura?).


Solução
Fomos para casa pensar no assunto.
Surgiu a ideia de fazer a pedra da bancada subir para a altura standard. O custo de comprar uma máquina de encastre (que têm 82cm de altura) mais mandar fazer a madeira de encastre compensa o custo de mandar subir a pedra da bancada da cozinha e meter madeira nesse espaço que subir. Para além disso, passamos a ficar com uma altura standard onde caberá qualquer máquina que venha a ser lá colocada, como a máquina de lavar loiça ou substituir alguma delas que se venha a avariar.
O risco: alguma pedra da bancada vir a partir-se enquanto é manobrada para subir.
Decisão validada e em marcha. O trabalho foi encomendado.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Azares numa nova casa: #1 A Compra

Comprámos recentemente uma nova casa velha, que já não é nova, mas também não é assim tão velha, tem cerca de 20 anos.

Esta sim, é uma casa realmente velha

A História
Foi usada pelo proprietário anterior, onde viveu com as suas filhas e mulher. Quando se divorciou, o ex-casal decidiu alugar a casa, os inquilinos deixaram de pagar renda e foram expulsos com ordem judicial. O proprietário anterior, não se quis chatear mais com as contrapartidas de um arrendamento e decidiu vender a casa através de uma imobiliária.

A Compra
E aqui entramos nós, que já iamos dando de vez em quando um lamiré pelos anúncios de venda de casas em 2ª mão. Casas novas têm preços proibitivos, não há orçamento que aguente a compra de uma casa nova por parte de uma família de classe média, e por isso procurávamos casas já usadas, com preços mais baixos, mas não muito velhas (para evitar problemas inerentes a uma casa velha), e que encaixassem no nosso orçamento. Um dia, esta casa apareceu a brilhar para nós, num anúncio de venda, pela imobiliária, na internet. Ficámos encantados pela casa e tomámos a decisão de compra.

casa de sonho
A casa de sonho

Contraímos um empréstimo bancário, depois de ver várias propostas de bancos, escolhemos a que melhor se nos adequou. Depois de termos todas as papeladas tratadas, inerentes à compra de uma casa, o primeiro azar aconteceu logo no dia da escritura.

Quando tentámos pagar o IMT online, verificámos que apenas um dos vendedores aparecia como proprietário da casa, a quem seria imputado com 100% das mais-valias. Não conseguíamos pagar o IMT imputando 50% de mais-valias a cada um deles, porque a caderneta predial indicava que apenas ele era o proprietário. E sendo online não podemos emitir de outra forma. Alertámos o proprietário para isto, que tratou de ir às finanças alertar que a ex-mulher dele também lá deveria aparecer como proprietária. Disseram-lhe que não fazia mal, que podia estar assim porque como estavam a vender a casa abaixo do preço de compra, que não tinha importância ser só ele tributável pelas mais-valias, porque não iriam existir. E assim pagámos o IMT, onde ficou escrito que ele seria tributado a 100% pelas mais-valias.

Azar #1: A Escritura e a Caderneta Predial
No dia da escritura, as coisas começaram atrasadas, porque o sistema esteve em baixo e estava tudo atrasado. 2h depois da hora marcada fomos atendidos e ao começar a escritura, viram que o IMT deveria ter sido pago com atribuição das mais valias com 50% a cada membro do ex-casal, ou seja, na caderneta predial deveriam aparecer ambos como proprietários. Já eram 13h e deram-nos até às 15h para resolver isso, caso contrário não haveria escritura, tendo de se pagar nova escritura (700€, sim, eles não são meiguinhos com os valores!).

Fomos da conservatória para a repartição de finanças onde a casa estava registada (tinha de ser ali, apesar de existir um sistema informático com toda esta informação, não podemos fazer isso noutro lado). Estava fechada para almoço e tivémos de esperar pela sua abertura às 14h. Ali o problema da caderneta predial ficou corrigido (a correcção foi online!), ficando ambos os vendedores como proprietários da casa. De seguida, fomos para a repartição de finanças da nossa área de residência, porque como o IMT tinha sido pago online, fica atribuído à repartição de finanças da área de quem pagou, e só ali se podem fazer alterações ao IMT (é tudo online, isto não faz o mínimo sentido que tenhamos de ir a repartições específicas). Lá colocaram ambos os vendedores com a atribuição de 50% de mais-valias a cada um, pela venda da casa, para que fique registado.
Voltámos "a correr" para a conservatória onde o negócio finalmente se concretizou, efectuando-se a troca de cheques pelas chaves da casa.

A compra da casa: toma lá, dá cá!

Depois da Compra e a Caderneta Predial
Dias depois, reparei que não conseguia ver online a caderneta predial da casa, pelo site das finanças, aparecia-me uma mensagem de que não era proprietária da habitação cujo artigo matricial eu inseria. Mas o meu marido conseguiu ver online pela conta dele no site das finanças e imaginem... na caderneta predial só ele é que aparecia como proprietário. Como isto me soava a dejá vu, no caso de virmos a vender a casa se nos divorciarmos ou seja para outros efeitos quaisquer, fui tratar disto às finanças, munida da escritura, para que corrigissem a caderneta predial e me colocassem como co-proprietária da habitação.
Na repartição de finanças vieram com a mesma conversa de que não fazia mal estar assim, porque como somos casados a casa também é minha e tal, mas eu insisti bastante, porque tinhamos acabado de passar pelo problema que demonstrava que fazia mal a caderneta estar assim. E lá fizeram a alteração: uns poucos cliques no computador e já estava tudo como deveria estar. Custa assim tanto dar uns cliques para que as coisas fiquem bem??

Isto foi o prenúncio de muitas aventuras que fomos tendo com a casa, e que irei contar nos próximos posts.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Online Mood Board

Com um Mood Board consegue-se exprimir visualmente através de imagens, e algum texto, o que não se consegue exprimir de outra forma. É um quadro onde predominam as imagens, que tantas vezes vemos nas revistas com sugestões de looks.

Existem ferramentas online com as quais podemos criar estes Mood Boards, de forma muito simples.

1. Polyvore
É uma tool online grátis para criar moodboards, vocacionada para moda.

2. Niice
Com o Niice temos uma variedade de imagens muito criativas, facilmente pesquisáveis, e facilmente integráveis no Niice moodboard. Cada moodboard criado, tem um URL único e o resultado não é pesquisável nos motores de busca, o que permite partilhar conteúdo com amigos e colegas sem o resto do mundo ter conhecimento. Também permite exportar o moodboard em formato JPEG.

Niice Moodboard online
Niice Moodboard online

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Manual de Cessação de Actividade

Como fechar uma actividade a recibos verdes?
O Portal das Finanças explica como se pode fechar a actividade, neste manual.

Basta ir ao Portal das Finanças e escolher as opções:
Os Seus Serviços - Entregar - Declarações - Actividade - Cessação de Actividade
Declaração de Cessação de Actividade (Recibos Verdes) online
Declaração de Cessação de Actividade (Recibos Verdes) online.

Depois só tem de colocar a data de fim de actividade para efeitos de IVA e IRS e seleccionar o artigo que justifica a cessação (setas 2 e 3). Os restantes campos encontram-se pré-preenchidos.

Para efeitos de IVA, consulta-se o CIVA art. 34º, que diz:
1 - Para efeitos do disposto no artigo anterior, considera-se verificada a cessação da actividade exercida pelo sujeito passivo no momento em que ocorra qualquer dos seguintes factos:

a) Deixem de praticar-se actos relacionados com actividades determinantes da tributação durante um período de dois anos consecutivos, caso em que se presumem transmitidos, nos termos da alínea f) do n.º 3 do artigo 3.º, os bens a essa data existentes no activo da empresa;

b) Se esgote o activo da empresa, pela venda dos bens que o constituem ou pela sua afectação a uso próprio do titular, do pessoal ou, em geral, a fins alheios à mesma, bem como pela sua transmissão gratuita;

c) Seja partilhada a herança indivisa de que façam parte o estabelecimento ou os bens afectos ao exercício da actividade;

d) Se dê a transferência, a qualquer outro título, da propriedade do estabelecimento.

2 - Independentemente dos factos previstos no número anterior, pode ainda a administração fiscal declarar oficiosamente a cessação de actividade quando for manifesto que esta não está a ser exercida nem há a intenção de a continuar a exercer, ou sempre que o sujeito passivo tenha declarado o exercício de uma actividade sem que possua uma adequada estrutura empresarial susceptível de a exercer.

Para efeitos de IRS, consulta-se o CIRS art. 114º, que diz:

1 - A cessação considera-se verificada quando:

a) Deixem de praticar-se habitualmente actos relacionados com a actividade empresarial e profissional, se não houver imóveis afectos ao exercício da actividade;

b) Termine a liquidação das existências e a venda dos equipamentos, se os imóveis afectos ao exercício da actividade pertencerem ao dono do estabelecimento;

c) Se extinga o direito ao uso e fruição dos imóveis afectos ao exercício da actividade ou lhe seja dado outro destino, quando tais imóveis não pertençam ao sujeito passivo;
d) Seja partilhada a herança indivisa de que o estabelecimento faça parte, mas sem prejuízo do disposto nas alíneas anteriores;

e) Se dê a transferência, a qualquer título, da propriedade do estabelecimento.
(Redacção dada pelo DL 198/2001, de 3 de Julho)2 - Quando, no âmbito da categoria B, existirem rendimentos de actividades agrícolas, silvícolas ou pecuárias e de pesca a cessação só se considera verificada quando deixe de ser exercida esta actividade e tenha terminado a liquidação das existências e a transmissão dos equipamentos ou a fectação destes a outras actividades, excepto quando for feita a opção prevista na última parte do artigo 36.º, caso em que a cessação ocorre no final do período de diferimento de imputação do subsídio.

3 - Independentemente dos factos previstos no n.º 1, pode ainda a administração fiscal declarar oficiosamente a cessação da actividade quando for manifesto que esta não está a ser exercida nem há intenção de a exercer, ou sempre que o sujeito passivo tenha declarado o exercício de uma actividade sem que possua uma adequada estrutura empresarial em condições de a exercer.

4 - A cessação oficiosa a que se refere o número anterior não desobriga o sujeito passivo do cumprimento das obrigações tributárias.

A parte do CIRC só é aplicável para contribuintes colectivos, por isso se esse for o seu caso, tem de indicar um dos seguintes motivos enumerados no CIRC nº 5 art. 8º:

Para efeitos deste Código, a cessação da atividade ocorre:

a) Relativamente às entidades com sede ou direção efetiva em território português, na data do encerramento da liquidação, ou na data da fusão ou cisão, quanto às sociedades extintas em consequência destas, ou na data em que a sede e a direção efetiva deixem de se situar em território português, ou na data em que se verificar a aceitação da herança jacente ou em que tiver lugar a declaração de que esta se encontra vaga a favor do Estado, ou ainda na data em que deixarem de verificar-se as condições de sujeição a imposto;

b) Relativamente às entidades que não tenham sede nem direção efetiva em território português, na data em que cessarem totalmente o exercício da sua atividade através de estabelecimento estável ou deixarem de obter rendimentos em território português.

Residentes – Em conformidade com o disposto na alínea a) do nº 5 do art.º 8º do código do IRC, deve ser assinalado nos campos 1, 2, 3 ou 4, o motivo da cessação.

Não residentes – Em conformidade com o disposto na alínea b) do nº 5 do art.º 8º do código do IRC, deve ser assinalado nos campos 5 ou 6, o motivo da cessação.


A cessação torna-se efectiva quando receber em casa a carta das Finanças que comprova a cessação.

Hoje em dia já não é necessário comunicar o fecho da actividade à Segurança Social, devido ao cruzamento de dados que já é feito nos dias de hoje entre a Autoridade Tributária e Aduaneira e a Segurança Social, de acordo com a Portaria nº 121/2007, de 25 de Janeiro.

Nota:
Pode consultar o CIRS (Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares) ou o CIVA (Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado) completo no portal das Finanças, assim como outros Códigos Tributários.

Desenhos para Colorir

Quem tem crianças, pode imprimir desenhos para colorir, a partir da internet.
Um site que tem muitos desenhos prontos a imprimir é o Desenhos para Colorir, organizado em categorias para ser mais fácil a identificação do tipo de desenho que se pretende.

Tem ainda um conjunto de artigos relacionados com colorir desenhos.
Vale a pena ver.




terça-feira, 7 de outubro de 2014

Impostos a pagar na aquisição de nova casa

Antes do acto da Escritura Pública, do acto de compra de uma nova casa, é necessário obter os DUCs (Documento Único de Cobrança) de:

1. IMT (Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis)
Código do IMT:
http://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/informacao_fiscal/codigos_tributarios/cimt/index_cmt.htm

Instruções de preenchimento do IMT:
http://info.portaldasfinancas.gov.pt/NR/rdonlyres/D1337D3B-49FB-4161-8759-8A071FA2AC90/0/INSTIMTVERSAOFINAL.PDF

Documento do IMT para preencher, através da Repartição de Finanças:
Início - Apoio ao Contribuinte - Modelos e Formulários - Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis - IMT
http://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/modelos_formularios/imt/

Obter e entregar o DUC do IMT online:
Início - Os seus Serviços - Entregar - IMT - Declaração

Mais informações no portal das finanças:
http://info.portaldasfinancas.gov.pt/pt/apoio_contribuinte/guia_fiscal/imt/FAQ_IMT2.htm

Depois de emitido o DUC, tem-se o prazo de 24h para proceder ao seu pagamento.
Existem condições especiais para isenção, ou redução, da taxa a pagar.

2. IS (Imposto do Selo)
O DUC do Imposto do Selo é emitido quando se entrega o formulátio do IMT.
Ambos têm de ser liquidados antes da escritura.

Depois da compra, e enquanto for proprietário, é necessário proceder ao pagamento anual do IMI (Imposto Municipal sobre Imóveis), podendo-se pedir isenção do IMI durante alguns anos e que dependem do município.

Mais informações disponíveis no site do Millenium:
http://corp.millenniumbcp.pt/pt/public/InformacaoeGestao/Documents/04_05_Imposto_Imoveis.pdf

terça-feira, 13 de maio de 2014

Pulseiras de elásticos estão na moda!

Descobri recentemente qual é a grande moda deste verão: pulseiras de elásticos coloridos, feitas à mão ou com a ajuda de teares. Ricardo Araújo Pereira já aproveitou para fazer a sua Mixórdia de Temáticas "Temos de Conversar" sobre fazer peças de bijuteria com material de escritório sobre esta nova moda.

Mas o que têm de especial as pulseiras de elásticos coloridos?
Em primeiro lugar, o preço dos materiais. Em segundo, a diversão de fazer pulseiras manualmente. Em terceiro, a facilidade com que se fazem.

Onde comprar os elásticos?
Na loja chinesa que tenho mais perto de casa, vendem pacotes de 200 elásticos com fechos e ainda a agulha (é uma agulha de plástico, tipo as de fazer renda) a somente 75 cêntimos. Vendem de todas as cores possíveis e imaginárias. Pacotes com várias cores. Pacotes com elásticos bem-cheirosos. Pacotes com elásticos fluorescentes. Pacotes com elásticos que brilham no escuro. Pacotes com elásticos de uma só cor. Pacotes com elásticos de duas cores. Pacotes com elásticos de 3 cores. Caixas para arrumar os elásticos. Teares de plástico a 2€ e picos. Packs de tear + elásticos + agulha + fechos a 8 € e qualquer coisa. Pack de caixa gigante + tear + elásticos que nunca mais acabam + agulha, a 18€. É de facto o grande negócio da China!
Comprei 2 pacotes, cada um a 75 cêntimos. Total: 1,5€. Pouco mais que um café, nalguns sítios equivale a 2 cafés e noutros até se conseguem comprar 3 cafés com este valor.
Mas parece que se vendem também nas papelarias e até no Toy R Us. Desde alguns cêntimos até largos euros.

Pulseiras de elásticos: material
Pulseiras de elásticos: material

Ok, tenho os elásticos... e a seguir? Como fazer as pulseiras de elásticos?
Diz que disse que não há nada mais simples. Pode-se prescindir do tear e fazer... pasmem-se: com 2 dedos. Já vi fotos que pulseiras de elásticos a serem feitas com... garfos. Ainda não me aventurei a fazer... comprei hoje os elásticos e ainda não é hoje que faço uma, mas quando a fizer, venho aqui explicar como me saí e quiçá, fazer um vídeo a explicar. Parece que há imensos vídeos no youtube a explicar como fazer as pulseiras de elásticos, que pelos vistos, há variadíssimas pulseiras diferentes que se podem fazer.

Mas só se podem fazer pulseiras com os elásticos?
Não! Há quem faça pulseiras para os pulsos, pulseiras para os tornozelos, anéis, colares e até pequenos brinquedos (já vi um hamster, coelhinhos e outras coisas fofinhas) que podem ser utilizados como porta-chaves. É a loucura!

E as pulseiras não são "só" pulseiras... têm nomes consoante o padrão que façam: temos as fishtails, triple fishtail, as ladder, dragon scale, starburst, raindrop, single, triple single... e juro, não estou a inventar estes nomes. E ai de quem não os souber! Se não estás in é porque estás out.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

Encontre o adaptador de corrente eléctrica usado, por país

Este site dá-nos a listagem completa, por país, de qual a ficha de corrente eléctrica que é usada.
É útil saber, para se saber qual o adaptador de corrente a comprar, quando se viaja para fora do país.


terça-feira, 4 de março de 2014

Cursos online grátis

Várias universidades contam com plataformas online de cursos grátis, com o objectivo de divulgar o conhecimento para fora das paredes das universidades.


Instituto Politécnico de Leiria lança assim o UP2Ucursos online de acesso livre (MOOC – Massive Open Online Courses), com a estreia da formação “Construção e partilha de mapas mentais”, com início no próximo dia 7 de Março, com 5h de duração (1 semana). O curso é totalmente aberto, livre e gratuito, podendo ser realizado ao ritmo do aluno, que gere o seu percurso de aprendizagem.

Os MOOC relevam ser uma tendência actual para várias instituições de ensino superior como:

  • edX (MIT, Harvard, Berkeley)
  • Coursera (Stanford, University of London, École Polytechnique, Technische Universität München)
  • Canvas (University of Utah, Ecole Centrale de Lille)
  • MiriadaX (Politécnica de Madrid, NUC, Universidad Cantabria, CEU Universidade de São Paulo)
  • UNED COMA

Cartão de Contribuinte (e-fatura)

O Portal e-factura das Finanças permite imprimir o cartão de contribuinte (chamado de Cartão e-fatura), para quem quiser (não é obrigatório), com o número de contribuinte e código de barras, para que sejam mais fácil pedir facturas com número de contribuinte.
O objectivo é acelerar o acto de pedir factura, evitando erros de digitação e evitar estar sempre a repetir o seu número de contribuinte. Esta informação foi divulgada por email, oriunda do Portal das Finanças, com o seguinte texto:

"Já pode obter um cartão com o seu Número de Contribuinte (NIF) no site e-fatura.
Criámos este cartão para facilitar a sua tarefa de exigir fatura com NIF. Com a apresentação do cartão e-fatura, pode obter com maior comodidade e confidencialidade a fatura personalizada com a sua identificação fiscal sem ter de a declarar verbalmente aos comerciantes.
Caso pretenda que o cartão seja emitido com o seu nome, pode também selecionar essa opção. O cartão possui também um código de barras, que permite obter automaticamente o seu NIF nas empresas que possuam sistemas de leitura ótica de código de barras associado ao seu sistema de faturação.
A utilização do cartão evita erros de digitação, reduz o tempo de atendimento nas suas compras e auxilia o comerciante na sua obrigação de emissão de fatura.
O cartão é totalmente gratuito e pode imprimi-lo as vezes que quiser. Imprima-o e utilize-o sempre.
Exigir sempre fatura com o seu NIF é a forma mais eficaz de combater a economia paralela. Ao mesmo tempo habilita-se ao sorteio da Fatura da Sorte."

Este cartão pode ser impresso gratuitamente e as vezes que se quiser, através do Portal e-factura das Finanças.

Como pedir o cartão de contribuinte (cartão e-fatura)?
1. Faça o login no Portal e-fatura das Finanças, com o seu número de contribuinte e a senha que normalmente usa no Portal das Finanças
2. É automaticamente direccionado para a página onde pode pedir o cartão.
3. Clique em "Obter cartão e-factura", no Portal e-fatura das Finanças.


4. É gerado um pdf, que pode guardar, com o seu cartão.
5. Basta imprimir, recortar e apresentar quando pedir uma fatura.

O seguinte texto acompanha a folha onde se apresenta o cartão:
Em ambientes mais congestionados e com ruído ambiente como são os centros comerciais, os restaurantes e as grandes superfícies, o cartão e-fatura facilita a comunicação dos dados da sua identificação fiscal, no momento da emissão da sua fatura.
Este cartão torna o processo mais confortável, assegura a confidencialidade dos seus dados e elimina os erros de comunicação.
Este cartão é apenas um auxiliar. O comerciante é obrigado a emitir a fatura, não podendo condicioná-la à apresentação do cartão e-fatura ou de qualquer outra identificação fiscal

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Novo livro de Ágata Roquette: As Receitas, A Dieta dos 31 Dias

Sai hoje o novo livro da nutricionista Ágata Roquette, intitulado "As Receitas" com mais de 250 receitas para utilizar durante a Dieta dos 31 Dias, da sua autoria.

Livro As Receitas, A Dieta dos 31 Dias, de Ágata Roquette
Livro As Receitas, A Dieta dos 31 Dias, de Ágata Roquette

Confesso que estou curiosa quanto a estas novas receitas. Tenho os livros anteriores e aprendi imenso com eles, têm receitas com os alimentos permitidos em cada fase da dieta dos 31 dias, para emagrecer sem sacrifícios, mas quantas mais receitas tiver, menos hipóteses há de enjoar dos pratos sugeridos (e a minha imaginação com os ingredientes permitidos não vai muito longe e por isso preciso das receitas).

Veja aqui um excerto deste livro...


Irei comprar este livro "As Receitas", da nutricionista Ágata Roquette.
E vocês, já têm? Planeiam comprar? Gostam do livro?

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Planear viagem às Maldivas

Iremos de férias às Maldivas este ano, incluída num pacote de férias Dubai + Maldivas que comprámos a uma agência de viagens. Depois de passarmos uns dias no Dubai, iremos para as Maldivas.

Ato

O hotel incluído no pacote é o Adaaran Club Rannalhi, que fica na ilha Rannalhi no South Male Atoll (Kaafu Atoll), ou seja num atol de ilhas a sul do atol onde fica a capital das Maldivas, Malé.



Maldivas Rannalhi south male atoll
Adaaran Club, Rannalhi, Maldivas

Ficaremos em regime de tudo incluído (AI), mas nas Maldivas o conceito de tudo incluído é diferente do tudo incluído das Caraíbas. Nas Caraíbas, o tudo incluído é mesmo tudo o que está à disposição, incluindo o recheio do mini-bar. Só algumas bebidas à la carte do bar é que não estão incluídas.
Nas Maldivas, o tudo incluído é diferente e depende de hotel para hotel. No hotel onde ficamos, significa que inclui as refeições pequeno almoço, almoço e jantar, snacks e algumas bebidas (refrigerantes, água a copo, chá, café, whiskey, rum, vodka...). Tudo o resto é pago à parte, tal como a água engarrafada, cocktails, licores, sumos frescos mini-bar e toda e qualquer bebida após a meia noite. No site do nosso hotel explica o que inclui e o que não inclui.


Planear viagem ao Dubai

Tal como disse no post anterior Próxima viagem: pacote Dubai + Maldivas, aqui irei deixar quais os planos de visita ao Dubai, o que quero ver, as várias possibilidades de me deslocar no Dubai e decidir o que cabe nas 3 noites em que vamos estar no Dubai. O avião chegará de madrugada (cerca da 1 da manhã) ao Dubai e daqui seguiremos para o Hotel. Duvido que haja alguma coisa que ainda possamos ver à 1 da manhã e duvido que tenha sono a essa hora, visto que em Portugal serão 9 da noite. Estarei cansada da viagem, dado que será uma viagem de cerca de 7h de avião, mas... terei sono tão cedo?

Para começar, vou comprar o livro Top 10 Dubai ( da editora DK Eyewitness Travel), como habitualmente faço, para ajudar a planear e conhecer melhor o Dubai.



O hotel escolhido é o Crowne Plaza Dubai (não é o hotel do pacote base, mas sim outro que estava disponível no pacote de viagem), visto que fica no centro, na Sheikh Zayed Road perto das principais atracções do Dubai: Mall of the Emirates, Ski Dubai, Jumeirah Beach, Burj Al Arab, e Burj Khalifa.


Mas o que faz do Dubai um destino tão atractivo?
O Dubai é um dos 7 emirados da federação dos Emirados Árabes Unidos (United Arab Emirates - UAE), localizado na costa sudeste do Golfo Pérsico. É o emirado com maior população dos Emirados Árabes Unidos e é o segundo com maior população (o primeiro é Abu Dhabi, a capital dos Emirados). Dubai é a cidade que nasceu do deserto, com o apoio da indústria do petróleo e é hoje em dia um ponto estratégico de trocas comerciais e de escala entre o Oriente e o Ocidente.

Na cidade vive-se e respira-se tudo o que o dinheiro pode comprar:

  • edifícios arranha céus, como o Burj Kalifa (o mais alto do mundo com 828m de altura)
  • Burj Khalifa
  • As ilhas artificiais, como a Palm Jumeirah, Palm Jebel Ali, que é como quem diz em português: as Palmeiras, o The World (o Mundo) e ainda existe o projecto de construir o Universo e a Deira Island
  • As ilhas artificiais do Dubai
  • os maiores centros comerciais do mundo, como o Mall of The Emirates, onde se inclui um Ski resort indoor com neve real) e o Dubai Aquarium (o oceanário lá do sítio, mas dentro de um centro comercial)
Dubai Aquarium, no Mall of the Emirates
Dubai Aquarium, no Mall of the Emirates

Dubai Aquarium, no Mall of the Emirates
Dubai Aquarium, no Mall of the Emirates

  • o único hotel 7 estrelas do mundo: o Burj Al Arab, que tem uma estrutura muito semelhante à Torre Vasco da Gama em Lisboa
  • Hotel 7 estrelas no Dubai: o Burj Al Arab
    Hotel 7 estrelas no Dubai: o Burj Al Arab
  • parques temáticos
  • praias de areia branca e mar turquesa, como a Jumeirah Beach.

Certamente iremos fazer um safari no deserto, mas ainda não escolhemos qual vamos comprar, nem por onde. Habitalmente o operador local da agência de viagens distribui uns panfletos e fala de excursões que se podem comprar através deles. Mas, por experiência, se levarmos já tudo tratado daqui, acaba por ficar mais barato (a operadora fica com a comissão dela, não é?)
Sites a considerar, para comprar as excursões:

Site oficial do Departamento do Turismo do Dubai:

Transportes:



(tópico em actualização constante)